Seguidores

segunda-feira, 29 de março de 2010

Ateísmo versus religiosidade - quem tem razão? Por pascoalnaib

Hoje em dia o que mais se comenta é num novo embate Ciência vs Religião e observamos isso pelos mais variados títulos principalmente de ateístas com livros entre os mais vendidos. Aqui vale até uma reflexão sobre esse fenômeno: existe só essas duas linhas de embate? Vivemos num maniqueísmo pós-moderno dos que crêem e dos que não crêem? São as duas classes tão firmemente estruturadas para chegarmos nessa conclusão?

Bem, sinceramente não me enquadro nesses dois extremos e por vezes acho muito danoso tal tipo de atitude. Acredito que o radicalismo tanto religioso como cético apenas aprofundam os problemas e fecham diversas portas para o diálogo e para a superação de equívocos de ambas as partes.


Observamos que o uso da Bíblia ou de qualquer outro livro sagrado pode se adaptar a qualquer estilo, ou seja, posso realizar grandes obras de caridade mediante a “palavra” como podem ser efetuados os mais vis massacres.


É interessante que
Michael Onfray em seu livro “Tratado de Ateologia” comenta esse aspecto da religião. Ele estava numa visita ao Oriente Médio e conversava com seu motorista que era mulçumano sobre o Alcorão, depois de muita conversa ele chegou a seguinte conclusão:

“Não lhe agrada que um não-mulçumano leia o Corão e refira-se a esta ou aquela surata para dizer-lhe que ele tem razão quando são selecionados os versículos que o confortam, mas que há textos nesse mesmo livro que dão razão ao combatente armado cingido pela faixa verde dos seguidores da causa, ao terrorista do Hezbollah carregado de explosivos”.


Mais na frente ele complementa sobre esse assunto:

“O mesmo livro justifica, no entanto, esses dois homens que avançam nos antípodas da humanidade: um pende para a santidade, os outros realizam a barbárie”.


É possível a religião contribuir com um mundo melhor?
Hoje alguns céticos condenam a religião como um mal a ser eliminado, não vêem contribuição nenhuma para sua existência, mas será que isso não é radicalidade demais? Já muitos segmentos fundamentalistas da religião se fecham em seu mundo de sonhos e loucuras e acham que tudo fora dos livros sagrados deve ser combatido.
Esse é um tema interessante de se abordar.



2 comentários:

  1. Graça e paz, sempre!

    Passei por aqui para conhecer seu blog.
    Estou procurando bons blogs para compartilhar.

    Já estou te seguindo.

    Ficaria muito feliz se puder me visitar.
    Se quiser me seguir também será um prazer para mim.

    Abraço em Cristo,

    Sandro
    http://oreinoemnos.blogspot.com/
    Te espero lá.

    ResponderExcluir
  2. Deus muda tudo,menos meu amor por ele

    ResponderExcluir